Pular para o conteúdo principal

Ceia não é brincadeira





















Dia desses estávamos – minha esposa e eu – na igreja, e era dia de celebração da Ceia do Senhor. De repente uma coisa nos chamou a atenção e causou estranheza, sobretudo pelo fato de estarmos num templo da Primeira Igreja Batista. É que a denominação é conhecida por velar pela correta interpretação da Bíblia, principalmente por simplificar as coisas e vigiar para a não contaminação por meio da heresia.
Pois bem, aos fatos. No momento de distribuir os elementos da Ceia o pastor mandou que chamassem para o templo as crianças de até sete anos que estavam em ambiente adequado, com linguajar adequado para realização de culto para a idade. Ele queria que elas participassem do evento, e assim foi.
Mandou que fossem distribuídas uvas in natura para as crianças, a fim de que elas também tomassem de forma simbólica o memorial. E é aqui que reside o problema. A Ceia trata de alguns aspectos para os quais a consciência é imprescindível para habilitar a pessoa a participar do ato recebendo o pão e o suco de uva (substituto do vinho).
Terminado o culto, fomos para casa. No outro dia, ainda estávamos atônitos com os acontecimentos, e minha esposa me pediu que escrevesse algo sobre a Ceia do Senhor, seu significado, sua função e quem de fato pode participar. Fazendo uma leitura do material que tenho em casa, busquei algumas fontes para escrever uma pequena nota. E é exatamente o que expresso neste texto com alguns acréscimos e alterações em relação à nota original. E nestas rápidas palavras não se pretende esgotar o assunto. Até porque seria necessário um livro de no mínimo 100 páginas para tratar do tema. Pretende-se aqui, expor de forma bem objetiva esse assunto tão delicado e ao mesmo tempo distorcido.
As igrejas evangélicas celebram a Ceia do Senhor com base no texto de 1º Cor. 11. 23 – 34, e, se voltarmos um pouquinho, veremos que em 1º Cor 10.16 a Ceia é chamada de comunhão. Por isso, é de costume que ao servi-la adverte-se que somente os que estão em comunhão com Deus e com sua igreja é que podem participar. Também por óbvio, a pessoa deve estar presente na igreja. Pois, se bem observarmos o versículo 20 de 1º Cor 11 diz que as pessoas se reuniam para a celebração da ceia, em que pese nessa ocasião Paulo advertiu os coríntios devido a falta de comunhão verdadeira. Significa dizer que independentemente da denominação, o partícipe será aceito na mesa se estiver batizado, em pleno exercício de membresia na sua igreja, disciplinarmente correto, fraternalmente de bem com todos e mormente com a consciência limpa diante de Deus. Em função disso, não tem fundamento nem necessidade de se levar a Ceia para alguém que está no hospital internado ou em casa em período de convalescença. Ceia é um evento da igreja enquanto corpo reunido.
A prática evangélica é que somente podem atender os quesitos acima as pessoas que possuem capacidade de consciência. Claro, não se deve confundir habilitar-se para a Ceia com ser salvo. Em que pese, aquele que não está salvo, se participar do memorial o fará com danos pessoais, as pessoas que não possuem faculdade mental plena, certamente serão salvas – ao menos creio nisso. As pessoas por sua vez, se não possuírem plenitude mental não cometem seus erros de forma consciente. Por esse motivo nas igrejas evangélicas, eu prefiro protestante, as crianças não são batizadas, já que não possuem tal consciência. Não precisam de batismo para sepultar o seu eu, pois, elas ainda não estão contaminadas com o próprio ego. E é por questão de ego que as pessoas cometem pecados. Em relação a Ceia, com base no Comentário Bíblico Expositivo de Warren Wiersbe apresenta-se a seguinte explanação:
A Ceia tem em primeiro lugar o objetivo de nos levar ao passado “… fazei isto em memória de mim”. (vv. 23 – 26 a). Serve, portanto, para nos fazer recordar da morte de Jesus. Enquanto nós preferimos cicatrizar a dor da perda de um ente querido, Cristo prefere que sua morte seja lembrada a fim de que não percamos de vista o motivo. Devemos sempre tem em mente que ele morreu por nós para nos salvar. Que eramos perdidos, e fomos achados, que por nós mesmos a nossa situação não teria solução. Que mesmo em meio a um ato de traição de um de seus seguidores mais próximos, Jesus manteve o cumprimento de sua missão. Em memória de Jesus vai muito além de se lembrar de um amado que se foi e agora o mantemos em uma fotografia ou em um monumento. Memorizar Jesus é se lembrar de sua Vida, Obra e Graça.
A Ceia também nos remete ao futuro (v 26 b – “...até que ele venha”.) Essa passagem serve para manter viva a nossa esperança de um dia nos encontrarmos com ele. O mesmo Jesus que deu sua vida por nós, é o que voltará para buscar os que o agradam, recebendo o seu sacrifício salvífico. É Aquele que por meio de seu ato nos deu a abertura de Sua casa e família, das quais passamos a fazer parte ao aceitar que é por meio de Seu sacrifício que obtemos salvação. A celebração da Ceia é o estímulo que temos para não desistir. Celebramos até que ele venha. Assim se um esmorecer o outro o ajuda. É no momento da celebração que nos lembramos do amor fraternal e da nossa futura vida eterna na prática.
A ceia também nos mantém no presente, à vista disso, (vv. 27, 28) no momento da celebração somos orientados a nos julgar a nos mesmos. Ou seja, a nossa vida atualmente diz muito sobre o respeito que temos pelo ato sacrificial de Jesus. O menor erro deve ser corrigido antes de seguir em frente na participação da comunhão. É o momento que temos para pensar em nossa conduta, nossos atos, nossos pensamentos. A oportunidade de honrar a Deus de verdade com o verdadeiro testemunho é agora, já. Para isso, nada que macule a nossa vida pode ser deixado para depois.
Por fim, (v 29) a Ceia nos leva a olhar para os lados. É certo que não devemos julgar os nossos semelhantes visto que cada um dará conta de sim mesmo. Porém, olhar para os lados não se resume ao não julgamento de terceiros, mas, observar a consequência das coisas feitas sem discernimento que vão gerar condenação. Discernimento é prerrogativa de quem possui capacidade cognitiva, ou seja, faculdades mentais plenas, de modo a julgar as coisas ao menos de forma maniqueísta, isto é, cima/baixo; esquerda/direita; bom/mau; bem/mal e sobretudo certo/errado.
Para a Convenção Batista Brasileira – CBB, além da pessoa precisar ser batizada pra tomar a ceia,o evento tem todo um cerimonial de reflexão conforme segue a citação:

A ceia do Senhor é uma cerimônia da igreja reunida, comemorativa e proclamadora da morte do Senhor Jesus Cristo, simbolizada por meio dos elementos utilizados: O pão e o vinho. Nesse memorial o pão representa seu corpo dado por nós no Calvário e o vinho simboliza o seu sangue derramado. A ceia do Senhor deve ser celebrada pelas igrejas até a volta de Cristo e sua celebração pressupõe o batismo bíblico e o cuidadoso exame íntimo dos participantes.

Se participamos da Ceia sem entendermos minimamente o significado do corpo de Cristo simbolizado pelo pão, não vamos nos dar conta da seriedade do momento. Não vamos entender a morte do Cordeiro por nós que precisamos de perdão dos nossos pecados. A banalização calcifica a consciência que é a responsável por nos levar a refletir sobre nossas condições e se for necessário pedir perdão por nossas ações, gestos, palavras e atitudes. Crianças não possuem tal cognição, portanto servir ceia para crianças, ainda que seja de faz de conta sem que ela seja sensibilizada do seu significado e função, pelo menos para os batistas é nada menos que profanação. Ceia não é momento de diversão, do verbo divertir, do latim divertire que é desviar-se do que realmente importa, pois, como diz Wiersbe, a Ceia do Senhor não é um monumento em torno do qual caminhamos. Mas, é o corpo do Salvador Vivo.





WIERSBE, Warrem W. Comentário Bíblico Expositivo, volume 5, Novo Testamento 1. 1º Cor. 11. 1ª ed. Geográfica. Santo André. 2007.
BATISTAS. Convenção Batista Brasileira – CBB; Declaração Doutrinária Batista – O Batismo e a Ceia do Senhor. Disponível em http://www.batistas.com/index.php?option=com_content&view=article&id=15&Itemid=15&limitstart=6. Acesso em 16 de dez. 2015.
CRÉDITOS FOTO: http://domboscoangola.org/db/content/pao-e-vinho-0. Acesso em 13 de jan. 2016.


Comentários

  1. Como diz a palavra há entre vós muitos fracos e doentes e muitos que dormem agindo dessa forma nós digo isso pois na igreja tem esse costume estamos criando futuros enfermos espirituais pois as crianças podem crescer não dando a real importância ao ato da Ceia do Senhor achando que não passa de um ato onde reúne-se para se alimentar(a carne)e não o espirito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é verdade. Às vezes observo que o principal objetivo das pessoas ao participar da ceia e dizer aos demais: não sou excluído. A pergunta é: está realmente incluído ou apenas participa da ceia agora para satisfazer um ego?

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Missão, Originada em Deus, atribuída à Igreja e Praticada no Mundo

Quero compartilhar com vocês algo que tenho aprendido na Faculdade Teológica Sul Americana de Londrina. Desde já, informo que se houver interesse, este trabalho pode ser usado pelos leitores em seus próprios trabalhos. Boa leitura e que Deus os abençoe!







A Missão, Originada em Deus, atribuída à Igreja e Praticada no Mundo

Introdução

Para que se possa fazer um trabalho de missões próspero e preciso, é necessário compreender a dinâmica do mundo atual com sua relatividade moral e ética e demais características. Saber, por exemplo, que esse mundo se debate em conflitos sociais e combate às injustiças, mas é desorientado sobre o significado do que vem a ser a paz social, pois cria mais conflitos do que os que pretende sanar. Acelera o pensamento defendendo padrões diferenciados de comportamento, insistindo que a verdade que vale num local ou num determinado grupo de pessoas não pode ser tida como verdade para todos. O mundo produz conhecimento e pensamento abundantes, mas está à deriva, confu…

Restauração, redefinição e reciclagem para propagação do Reino de Deus

Existem alguns aspectos da vida e da missão cristãs que precisam ser resgatados para que o reino de Deus triunfe e a palavra de Deus seja conhecida em todo o mundo, bem como a adoração prefeita seja por fim estabelecida. Dentre esses aspectos, cito três.
Os três itens escolhidos abaixo se justifica, ao menos sob meu prisma, porque estão fortemente ligados, ao que parece irremediavelmente relacionados. Isso porque reino de Deus tem tudo a ver com confins da terra, seja por abrangência geográfica, seja por compromisso com resgate de almas e implantação da vontade Deus na vida das pessoas e ação influenciadora para transformação social onde o evangelho chegar. Por fim, a educação teológica deve desempenhar papel importante para que se tenha em mente a restauração, a redefinição e reciclagem. Palavras encontradas nos itens respectivamente tratados. Assim, eia ao comentário dos itens escolhidos.

Explicitar visivelmente a fé na restauração do conceito do reino de Deus dignificando a vida huma…